12/05/2020

O setor

O setor das etiquetas em Espanha está formado por centenas de empresas, algumas de grande dimensão e outras de pequeno tamanho, o que contraria a tendência para a concentração da maioria das atividades industriais. No nosso país há mais de 300 empresas dedicadas às etiquetas autoadesivas em contínuo. Delas, cerca de 100 formam parte da AIFEC, um número que pretendemos continuar a incrementar dia após dia, promovendo a participação de produtores portugueses.

A indústria da etiqueta autoadesiva mostra, ano após ano, e mais ainda desde 2006, a sua grande maturidade. O seu crescimento baseia-se na necessidade cada vez maior de etiquetar quase todos os âmbitos da nossa vida. Também pela redução cada vez mais evidente da etiqueta colada em setores como o da bebida a favor da autoadesiva.

Outro fator a ter em conta é a importância cada vez maior da imagem, de apresentar um produto ao cliente da melhor maneira possível. As etiquetas autoadesivas são uma importante ferramenta neste campo, pois podem ser a solução para praticamente qualquer aplicação, por mais difícil que pareça.

Por tudo isto, consideramos que não só falamos de simples etiquetas autoadesivas, mas de produtos com maior valor acrescentado que podemos oferecer ao cliente final, em que não só é vital o tipo de papel, mas também o método de impressão utilizado ou os acabamentos que acrescentamos.

O crescimento exponencial das empresas do setor avança em paralelo com o grande investimento em tecnologia, inovação e desenvolvimento que realizam cada ano. Graças a isso, a força desta indústria, talvez pouco conhecida pela sociedade, é maior.

Máquina de impresión en flexografía a pleno rendimiento.

Máquina de impressão em flexografia a pleno rendimento.

A FINAT, associação que opera a nível internacional, previa para 2016 que a maior parte das empresas europeias do setor obtivessem um crescimento de entre quatro e seis por cento, previsões que poderiam ser inclusivamente superadas segundo as cifras que manejamos até agora.

Esta organização internacional do setor também expunha a começos de 2016 os desafios a que a indústria terá de fazer frente no futuro: a inovação e os novos tipos de embalagens, o incremento da venda online, a necessidade de soluções mais sustentáveis (reciclagem de etiquetas e separação dos seus componentes) e as regulações internacionais, como os novos regulamentos de etiquetagem de produtos farmacêuticos ou do setor alimentar.